terça-feira, setembro 27, 2005

Novos horizontes

Fui admitida em Arqueologia. Bem sei que as saídas profissionais são quase nulas e que eu já não estou em idade de grandes sonhos mas, que querem, não resisti a colocar o curso como primeira opção. Estou bem aqui, não ganho muito mas é o suficiente para dar uma vida condigna à minha filha. Tenho muito tempo livre (não é bem assim, pois tenho de permancer pela portaria) e posso estudar para ir fazendo algumas cadeiras por ano.

Conheci (embora nunca o tenha visto) uma pessoa no mirc. É detective. Um homem que procura não ser vulgar. Acha que o espelho lhe cospe em cima cada vez que se olha nele! Descreve-se como um homem magro, 1,65m, cabelos grisalhos, no inicio dos 40. Gosta de coisas simples; do por-do-sol sobre o mar ou na planície alentejana com a sua promessa de um novo amanhecer; do lume a crepitar na lareira numa noite fria de inverno; um copo de vinho alentejano, de cheiro intenso, sabor frutado e cor de rubi; de acordar com um poema, uma flor e um beijo... Ouve música celta e blues. Adora Milles Davis e Diana Krall e, sobretudo Jorge Palma. Costuma dizer, em geito de brincadeira, que o JP escreveu, para ele, o Jeremias!
Marcámos encontro numa pastelaria, não longe daqui (nenhum de nós sabe onde o outro mora, não trocámos fotos e falamos, algumas vezes por telemóvel- tem uma voz suave e doce!). Eu levaria o livro da minha vida, "A aparição" do Virgilio Ferreira e ele, o Expresso da semana anterior. no dia combinado, meti o livro na carteira e lá fui, meia hora mais cedo do que a hora que tinhamos acertado. Escolhi uma mesa num canto estratégico, com vista para a porta. Dali poderia ver toda a gente que entrasse ou saísse sem que desse nas vistas. Sentei-me e pedi um café enquanto vasculhava a carteira de onde retirei um livro de História (mais tarde exporia o outro). Dei uma olhadela à roda. Estavam poucos clientes àquela hora. No canto oposto reparei que estava sentado aquele inpector da PJ que anda a investigar as mortes do prédio. Os nossos olhares cruzaram-se e não tivemos como não nos cumprimentar discretamente. Parecia incomodado. "_continuas bem giro!" -pensei para com os meus botões. Que raio fazia ele ali? Devia ter vindo tomar um café... Comecei a desfolhar o livro e a tentar concentrar-me em monumentos funerários da pré-história...nada feito...e ele que não saía...parecia ler atentamente a sua revista. Esperei meia hora e nem sinais de nenhum homem com o Expresso debaixo dobraço! Não viria, estava bom de ver. Tinha estado a gozar comigo... Também, quem é que é tão inocente que acredita nestas coisas?!

4 comentários:

maresia disse...

A Revista do expresso?!

mistério...

maresia disse...

O Jeremias, pode ser...
Agora, Estrela do mar, Cara de anjo mau, Disse fêmea, entre outras, foi para mim que ele escreveu!

webdreamer disse...

Estou a comecar a interessar-me por este blog, embora o enredo nao seja facil de seguir, porque existem imensas personagens, mas neste predio vivem algumas pessoas interessantes!
(...O 11F ainda está vago? Não custa perguntar...)

Anónimo disse...

Olá webdrimer!

Parece q estamos necessitados de novos participantes
beijo