sábado, abril 30, 2005

3º esquerdo <> qualquer esquerdo

Gostaria de alugar o 3º esquerdo, se estivesse livre. Gostei da salamandra que me poderia aquecer nas noites em que as gaivotas ficam em terra. Já está ocupado. Ficarei noutro esquerdo qualquer, desde que esquerdo, manias de quem enfrenta a morte em dias de tempestade. Nasci no Atlântico, para lá de qualquer margem. A minha Mãe pariu-me enquanto o meu Pai militava. Nasci no mar e no mar hei-de morrer, está escrito nas ondas. Deveria ter ambicionado ser Almirante, mas decidi apenas deixar-me balouçar na vaga. A vela é prata onde o sol bate, e eu sou ferro que nunca quer ancorar. O meu nome, o vento levou-o quando o mar me prendeu a alma. Podem chamar-me Estrela do Mar. Se por aqui me quiserem, as artes do amor líquido vos contarei.

5 comentários:

letrasaoacaso disse...

Imaginação qb. Excelente a tua escrita.
Voltarei

zezinho disse...

Repito-me. Escreves divinamente.

isa xana disse...

então não é que estes dois já disseram o que eu queria dizer? raios!=p


gostei muito**

zezinho disse...

Sabes que moro num 3º esquerdo?!

Um beijo.
(Gosto das tuas histórias do fim da rua)

Menina_marota disse...

Maresia... esse 3º. esquerdo é meu!
A salamandra está no meu quarto, mas na sala tem uma lareira, que no Inverno convida a grandes reuniões...

Aparece :-)